Filho de Vera Oliveira, fisioterapeuta, é DAS na rádio Cultura

 Filho de Vera Oliveira, fisioterapeuta, é DAS na rádio Cultura

Vera Oliveira, cap da Secom-PA, e o filho dela, Leonardo, emplacado em cargo DAS na rádio Cultura FM

Ora, ora, ora… Vez por outra, mesmo de longe, estamos de olho na gestão de Vera Oliveira à frente da Secretaria de Comunicação do Pará (Secom-PA).

A última de Verinha foi que ela aproveitou a saída da rádio Cultura FM de Márcio Rabello – que foi para rádio Roma FM -, e o DAS que era dele, e emplacou o filho dela, Leonardo Chaves de Oliveira, para um cargo na produção da emissora de rádio da Funtelpa.

Nepotismo – O mais estranho disso, além do nepotismo descarado, é que Léo é formado em Fisioterapia. Isso mesmo, Fisioterapia, uma das profissões mais demandadas nesta época por pessoas que necessitam de cuidados profissionais nessa área, depois de ser curarem, da Covid-19.

Quer dizer, o rapaz é fisioterapeuta, mas está em um cabide de emprego, sendo produtor na rádio Cultura FM. Como assim?

Vera Oliveira e o filho Leonardo no dia da diplomação dele em Fisioterapia, pela UEPA, em dezembro de 2018

Será que ser fisioterapeuta é apenas uma fachada para o Léo? Sabe-se também que Léo é músico, baixista, na banda paraense Joana Marte.

E eu aqui não entendo mais nada. O rapaz nem formado em Jornalismo é.

Atenção, Heldissss, tu sabias disso, rapá? Tens consciência que Verinha está colocando as manguinhas de fora, mais uma vez. Ora, ora, ora.

5 Comments

    Avatar
  • O Leonardo é e sempre foi músico, qualquer um que entrar no Instagram dele vê que há anos ele trabalha com música. Como muitas outras pessoas, ele tem uma formação em uma área que não exerce mas nunca teve isso como fachada.

      Dedé Mesquita
    • Meu colega, o que Verinha fez nesse caso tem nome: nepotismo! E nepotismo é crime pelas leis brasileiras.

  • Avatar
  • PEGA ESSA:

    SECOM PEDE SOCORRO
    Somos da Secretaria de Comunicação do Estado e pedimos socorro por tudo o que está ocorrendo lá dentro.
    Estamos sendo chefiados por três pessoas despreparadas, chamadas de Tríade do Mal.
    Encabeçada pela “mamacita” Vera Oliveira, estamos sendo coagidos, afrontados, tratados com falta de respeito, falta de profissionalismo. E é de conhecimento de todos que a Vera que dá as ordens, mas não faz o trabalo sujo.
    O que não entendemos: pessoas que vestiram e vestem até hoje a camisa do governador, estão sendo excluídas, deixadas de lado.
    Vamos para os fatos:
    Flávia Lima, atual secretária adjunta da Secom, que vestia a camisa do PSDB, que fez campanha para os adversários do governador, agora, manda e desmanda na Secom. Se acha a superior, a “global”, se direciona às pessoas com uma prepotência indescritível.
    A Flávia inclusive, ocupa hoje o lugar do Willian Serique, que ninguém entendeu quando sumiu. Ele voltou há pouco tempo, sem cargo de direção, fica no meio da redação, sem fazer nada.
    Dizem que ele colocou elas lá dentro, a galera da “DIRETORIA”, um grupo dele. Hoje, ele amarga um desprezo de todas.
    Natália é a terceira, a que fecha a Tríade do Mal. Arrogante, grosseira, soberba, trata a todos, sem excessão,
    dessa forma, como se fossem propriedade DELA. Utiliza de sua formação para “pisar” em todos.
    Flávia e Natália quando andam juntas, todos comentam: lá vem as vice-governadoras. De repente, estão sendo preparadas para o cargo mesmo, já que o vice-governador, Lúcio Vale, agora é Conselheiro do TCM. O poder das três (Vera, Flávia,
    Natália) é tão danoso que todos têm medo delas: secretários, recepcionistas do palácio, assessores…
    Mais um absurdo: recentemente a Natália exonerou, a mando da Vera, o repórter fotográfico Ricardo Amanajás, alegando que tinha que decidir ficar na secom ou no diário, que para ficar na secom, tinha que ser exclusivo. Tudo mentira. Tem muitas outras pessoas lá dentro que tem dois empregos. A verdade é que tiraram o Ricardo para colocar um amigo do namorado da Flávia. E não para por aí, Flávia também colocou um primo dela, trabalhando no juridíco da Secom. Justo a Flávia, a que até ano passado fazia campanha para o PSDB. Será que o governador sabe desse “CACÍQUE” todo?
    Ele não sei, mas o que sabemos é que todos que contrariam a poderosa Vera Oliveira, acabam sendo colocado no paredão e eliminado da secom.
    A exemplo da grande profissional Thamires Nascimento, que mesmo sendo uma servidora exemplar, que vestia a camisa do
    governador e da primeira dama do estado, Daniela Barbalho, foi eliminada, com justificativas esfarrapadas.
    Não sabemos como o Governador e a primeira dama não dão um basta e cortam o mal pela raiz, exonerando a Vera e as duas.
    Não podemos nem fazer denúncias na Ouvidoria Geral do Estado. A “mamacita” colocou o irmão do ouvidor geral, o Daniel, como um dos braços dela no gabinete da Secom. Ou seja, nada chegará à Ouvidoria, se chegar, a denúncia sumirá.
    Já tá na hora do governador cuidar dos que trabalham para o crescimento do seu governo e tomar decisões drásticas. Caso contrário, a tríade do mal continuará fazendo estragos e fazendo feio, muito feio para a sua gestão. Ou mais, todos deixarão a secom na primeira oportunidade. Uma ajuda simples, que tal o Governador ligar nos secretários e perguntar quem a Vera, Flávia e Natália já faltou com respeito. Fica a dica, Rei do Norte!
    Ou será que se fizermos um protesto o governador nos dará atenção, ouvidos e nos salvará!
    Isso é pouco diante de tudo o que temos para falar sobre a Secom. É só apurar um pouco.
    Uma coisa que pensávamos que não iríamos dizer, mas temos que dar a cara a tapa: a Secom sente falta da dupla Aline Passos e Willian Serique.

      Dedé Mesquita
    • Pessoas da Secom-PA, a denúncia de vocês será levada para a postagem principal. Força aí, isso vai ter que acabar. Vera Oliveira não será eterna!!

  • […] Veja o case Vera Oliveira aqui: Filho de Vera Oliveira, fisioterapeuta, é DAS na rádio Cultura […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *